Doentes em recuperação

Nosso Senhor Jesus Cristo afirmou: “os sãos não precisam de médico, e sim os doentes. Não vim chamar justos, e sim pecadores, ao arrependimento” (Lucas 5.32). No Antigo Testamento, o estado espiritual de Israel e dos gentios exigia cura (Isaías 1.4-6; 19.22; 57.14-19). A Bíblia que ensina que há cura na redenção (Isaías 53.4-5). Antes da glorificação, porém, continuamos enfermos. Não há uma só pessoa não glorificada que apresente absoluta saúde espiritual, emocional e física. Somente no Paraíso desfrutaremos do acesso à perfeita satisfação e cura (Apocalipse 21.4, 22.2-3).1

Tal constatação deveria produzir uma maneira diferenciada de enxergarmos a nós mesmos e ao próximo. Uma visão realista e bíblica de nosso estado de enfermidade pré-glorificação poderia, por exemplo, diminuir o peso de culpa relacionado às doenças. O cristianismo atual tem dificuldades em lidar com as enfermidades, sejam estas físicas, psicológicas ou espirituais.

Na realidade, há no inconsciente de todas as pessoas uma certa repugnância defensiva contra a doença e a enfermidade, vestígios da miséria humana que preferimos esquecer. A pobreza, a doença e a morte trazem ao espírito o problema existencial com brutalidade dolorosa, ao qual muitos desejariam, conscientemente ou não, fechar os olhos.2

C. S. Lewis, em O Problema do Sofrimento, afirma que a doença produz quatro resultados. Primeiro, ela nos faz humildes; segundo, ela nos torna seres humanos mais amadurecidos; terceiro, ela serve para o testemunho de nossa fé aos incrédulos; quarto, ela abre espaço para o exercício da compaixão, da paciência e da generosidade.3

Calvino ensina algo semelhante:

Nas coisas árduas e difíceis, que são consideradas adversas e más, compartilhamos dos sofrimentos de Cristo, de sorte que, como ele do labirinto de todos os males entrou na glória celeste, assim, por entre variadas tribulações, sejamos conduzidos à mesma glória.4

Tal constatação sugere uma redefinição da igreja. Não há razão para nos sentirmos diminuídos, afastando-nos da comunhão por não sermos “perfeitos”. Muito menos para olharmos para nossos irmãos listando suas deficiências. Cada um de nós precisa de cura. Nós não somos triunfalistas; admitimos, como o salmista, que “somos pó” (Salmos 103.14). Não somos uma agremiação de perfeitos. Somos uma família de discípulos de Jesus. Precisamos nos assemelhar, cada vez mais, a um hospital.

Rev. Misael. Publicado no Boletim 131, de 01/07/2012.

 

1 KISTEMAKER, Simon. Comentário do Novo Testamento: Apocalipse. São Paulo: Cultura Cristã, 2004, p. 729.

2 TOURNIER, Paul. Culpa e Graça: Uma Análise do Sentimento de Culpa e o Ensino do Evangelho. São Paulo: Aliança Bíblica Universitária (ABU), 1985, p. 18.

3 LEWIS, C. S. O Problema do Sofrimento. São Paulo: Vida, 2008, passim.

4 CALVINO, João. As Institutas: Edição Clássica, 3.8.1. São Paulo: Cultura Cristã, 2006, p. 173.

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que usamos para melhorar sua experiência. Mais informações.