Deus, a igreja e o coração

Somos a igreja de Jesus Cristo, somos abençoados. Faço questão de me lembrar disso, todas as semanas. Forço minha mente a meditar nas descrições bíblicas sobre a igreja: “Raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus”, gente com uma missão: proclamar as virtudes de Deus a todas as nações (1Pedro 2.9). Povo agraciado, transferido das trevas para o reino de Jesus Cristo.

Preciso relembrar sempre, porque sou fraco. Sou pó e cinza e, do ponto de vista da santidade, sou muito pecador. Tenho a tendência de olhar e fazer comparações. Tenho os lábios mais prontos para reclamar do que para orar e auxiliar. Meu coração é enganoso e desesperadamente corrupto, muito dado a insatisfações; minha língua é ágil para proferir juízos temerários. Minha vontade decaída se une à minha mente pervertida, buscando me desestimular a prosseguir amando e servindo a Deus na igreja, elaborando raciocínios enganos, argumentando que a igreja possui muitos defeitos e não é digna de minha dedicação ou empenho.

Eu não sei se você é assim, infelizmente, eu sou. Por isso tenho de me vigiar, e quando vacilo, peco e entristeço ao Espírito Santo. Eu não quero entristecer o Espírito, eu quero agradar a Deus no que diz respeito ao meu procedimento em sua igreja (1Timóteo 3.15). O que faço para evitar o pecado? O que faço para edificar ao invés de destruir, estimular ao invés de desanimar, contribuir ao invés de atrapalhar?

Em primeiro lugar, preciso olhar mais atentamente para Deus, o Altísimo, o Soberano, o Todo-Poderoso. Com sua providência, ele dirige todos os fatos da história, inclusive a rotina de cada igreja local. Ele é o proprietário da vinha, ele é quem produz o crescimento (1Coríntios 3.6-7). Nada do que acontece foge ao seu domínio e determinação.

Em segundo lugar, preciso olhar mais graciosa, paciente e humildemente para a igreja. Em nenhum momento da história ela foi perfeita. Isso nunca aconteceu e jamais acontecerá antes da consumação. No arraial da fé, crescem juntos o joio e o trigo (Mateus 13.24-30). Os registros apontam para heresias, disfunções orgânicas, posicionamentos extremados (ortodoxia dissociada da prática ou misticismo desmiolado) e uso dos construtos da fé para promoção política ou financeira.

A igreja hoje não está melhor nem pior do que era antes, ela é apenas o corpo de Cristo, formado por pecadores lavados no sangue do Cordeiro. Ela é o ajuntamento que está sendo santificado pelo Espírito Santo, mediante a Palavra. Ela é o grupo de seguidores que se reúne em torno da Escritura e dos sacramentos, que ora e espera, que testemunha e prossegue, às vezes eficazmente, às vezes lenta e ineficientemente, às vezes sofrivelmente. Nela encontra-se o melhor que poderia existir, para glória de Deus; nela, se encontra também o pior. Nela existem as mais ricas histórias de autodoação e compromisso; nela, encontra-se iniquidade e os mais crassos erros.

Mas a igreja continua sendo a igreja, o canal usado por Deus para ministração, aos principados e potestades, do mistério que estava oculto em Deus desde os tempos eternos (Efésios 3.1-13).

É preciso caminhar com essa consciência, com esse olhar de discernimento e misericórdia, juízo e graça. É preciso estar disposto a perseverar. É preciso da graça do Senhor para prosseguirmos sem amargura ou sem nos deixarmos escandalizar. É preciso prosseguir com uma perspectiva escatológica: a igreja é a comunidade do “já”e do “ainda não”do Reino de Deus.

Em terceiro lugar, preciso olhar mais severamente para o meu coração. A igreja é formada de pecadores, “dos quais eu sou o principal”(1Timóteo 1.15). Por isso, continuo amando-a. Encontro muitas falhas, mas nenhuma delas é maior do que as que carrego em meu próprio coração. Sou pó adorando juntamente com meus irmãos, também limitados e pecadores.

Olhar para Deus, para a igreja a partir de uma perspectiva global, histórica e para o meu próprio coração; é assim que encontro ânimo para comprometer-me com o corpo de Cristo. Convido você a compartilhar dessa visão.

Rev. Misael. Publicado no Boletim 029.

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que usamos para melhorar sua experiência. Mais informações.