O delicado equilíbrio da fé

A fé é cheia de convites para permanecermos no centro em meio a posições extremas. Não que ela seja flácida, conformista ou diplomática, pois em certos contextos exige radicalismos e beligerância. Mas ela possui este aspecto delicado, tênue e ao mesmo tempo perigoso de fio da navalha, de corda bamba — quando precisamos tomar uma posição e, se esta for extremada, estamos mortos. Em algumas instâncias, a fé é assim.

A fé fala de racionalidade, de orientação da percepção para aquilo que se vê: “observai as aves do céu […] considerai como crescem os lírios do campo” (Mateus 6.26, 28). Notemos este elemento reflexivo, este estímulo a que usemos nossas mentes em perscrutar os fatos da existência e a concluir com base naquilo que vimos. Isso significa que fomos dotados de capacidade intelectiva e crítica, para que caminhemos com discernimento, baseados em evidências.

A fé fala de suprarracionalidade, de orientação da mente e coração para aquilo que é invisível: “a fé é a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que se não vêem” (Hebreus 11.1). Aqui, trata-se de tatear em um corredor, na escuridão, certo de que existe uma porta, confiado somente na palavra daquele que projetou e construiu a casa.

Tudo estaria bem se fôssemos perfeitos. Bastaria armazenar as conclusões racionais, adquiridas na meditação das Escrituras e na observação da providência, treinar a capacidade de esperar aquilo que não é visível e pronto, seríamos sempre felizes e vencedores. Vejam, no entanto, a contradição, o oxímoro, os extremos: observar o que pode ser observado e crer naquilo que não pode ser visto.

Em momentos de relativa saúde da alma, conseguimos realizar esta façanha. Levantamos alguns dados existenciais e percebemos coisas boas e ruins, acertos e erros, prós e contras, avanços e recuos. É quando conseguimos dizer “isso é assim mesmo” de bem com Deus e com a vida. Notamos as tribulações mas somos capazes de, também, contar as bênçãos, equilibrando-nos nesta corda que divide os lados racional e suprarracional da fé.

Em outras horas, fraquejamos. Os fatos (ou nossa visão turva dos mesmos) mostram-se avassaladores e esmagam a fé. Tais como Elias no monte Horebe, somos tomados por sentimentos de desolação (1Reis 19). E notamos que somos quais pulgas diante de gigantes, fadados ao esmagamento fulminante. Então, incapazes de dar um passo além, caímos e choramos. Aparentemente, a visão do invisível (viram como a própria linguagem da fé é cheia de nomeações contraditórias?) se desfaz. “Pra quê continuar, quem somos nós para irmos adiante?” — pensamos e sentimos — e daí quase morremos.

Por que isso é assim? Sugerirei algumas respostas na próxima pastoral.

Rev. Misael. Publicado no Boletim 016.

Um comentário

Comentários desabilitados.

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que usamos para melhorar sua experiência. Mais informações.