O Natal: Nosso ou de Deus?

As pastorais dos Boletins deste mês demonstram como algumas revistas especializadas lidam com as coisas da religião, selecionando e formatando as declarações da Bíblia como melhor lhes convém. Por detrás de toda “objetividade jornalística” identifica-se o “materialismo científico”. Dizem que o Cristianismo é uma formulação sociológica e as Escrituras não são “Sagradas”, mas um registro de crenças articuladas ao longo das eras.
Se isso é assim, aquilo que os evangelistas escreveram sobre Jesus não passa de uma composição dos primeiros crentes. Jesus não é o Filho unigênito de Deus, não nasceu de uma virgem, não morreu para salvar os pecadores e muito menos ressuscitou. A fé cristã que sacudiu impérios é finalmente domesticada. O homem, antes confrontado pelo Deus de Abraão, Isaque e Jacó que se revelou plenamente em Jesus Cristo, agora questiona a religião e a considera invenção ou mito sem qualquer importância.

Eu desafio você a ler todas as reportagens escritas sobre a pessoa e obra de Jesus, publicadas nestas revistas. Mudam as capas e as ilustrações internas, alteram-se títulos e colunistas, mas escreve-se sempre a mesma coisa. Alardeiam que agora há um perfil “científico” ou “histórico” de Jesus. O Jesus da Bíblia é o “Cristo da fé”, uma fábula que funciona para os crentes, e só. Eles anunciam que estão publicando uma “novidade”, mas tudo não passa da velha ladainha da incredulidade.

Os cristãos se sentem desconfortáveis com tais ataques. No entanto, sejamos honestos e reconheçamos em nós uma tendência semelhante. Somos também inclinados a lidar com as coisas divinas à nossa maneira. Temos nossas passagens bíblicas favoritas interpretadas segundo nossas conveniências. “Criamos” um “Jesus” à nossa imagem. Ao invés de sermos moldados por ele, somos nós que o moldamos. Isso se aplica não apenas às nossas ideias acerca do Natal, mas à vida cristã como um todo.

O Cristianismo não nos pertence. Ainda que digamos que Cristo seja “nosso”, nós é que somos dele. Nós não criamos o Natal, a cruz ou o túmulo vazio na manhã do terceiro dia. O Deus vivo interveio na história. Deus tornou-se carne em Cristo. Redimiu-nos (comprou-nos com seu sangue). Depois foi exaltado em glória e nos convoca a servi-lo. Destarte, agora nós pertencemos a ele. Eis os fatos. É Natal. Não o Natal inventado pelo homem, mas o Natal de Deus. As mãos divinas tocaram em vidas humanas, por meio de Jesus Cristo.

Um feliz Natal aos eleitos e queridos do Altíssimo.

Rev. Misael. Publicado no Boletim 156, de 23/12/2012.

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que usamos para melhorar sua experiência. Mais informações.